Os grandes campeões da Copa Libertadores
São 25 os clubes que conquistaram América, que alcançaram a glória e viveram o momento culminante de levantar a taça. Mas apenas 8 clubes conseguiram três ou mais títulos, sem dúvida nenhuma, uma conquista muito notável, que coloca estes clubes em um lugar privilegiado. Então, vamos rever a história de suas consagrações. Hoje é a vez de Peñarol, time que conquistou 5 vezes o título e foi um dos grandes precursores do torneio, sendo fundamental para a criação da mesma e conseguindo ganhar nas duas primeiras edições.

PEÑAROL (URU) – 5 TÍTULOS: 1960/61/66/82/87

penarol

 Peñarol ocupa um lugar importante na história da Copa Libertadores da América, sendo o primeiro campeão, o primeiro  bicampeão e o primeiro tricampeão. Foi um dos times promotores da criação do torneio e também o que mais importância deu nos  primeiros anos, quando o torneio ainda não tinha a enorme transcendência que tem hoje, logo depois de 55 edições.
Em 1960 foram sete times que deram o pontapé inicial do torneio, conhecido como Copa dos Campeões da América. Os clubes  campeões da Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Paraguai e Uruguai, jogaram em um torneio que enfrentaram o  cruzamento de eliminação direto em jogos de ida e volta. O primeiro jogo da história do torneio foi em 19 de Abril de 1960 em  Montevidéu, onde Peñarol derrotou a Jorge Wilstermann por 7 a 1. Logo de empatar em Bolívia, Peñarol se classificou às semifinais onde enfrentou a San Lorenzo. Depois de empatar por 1 a 1 no  Uruguai e 0 a 0 na Argentina, tinha que desempatar. O terceiro confronto aconteceu em Montevidéu depois de um acordo entro os  times, e Peñarol venceu por 2 a 1. A final foi com Olímpia, onde os uruguaios ganharam de 1 a 0 no Estádio Centenário e a  revanche em Asunción com um empate de 1 a 1 graças a um gol de último momento de Luis Cubilla. E foi assim que escreveram o seu nome como o primeiro campeão.

Peñarol defendeu seu título em 1961, em um caminho que iniciou nas quartas-de-final, em uma copa com apenas 8 participantes. Venceu por 5 a 2 jogando contra Universitario de Perú e passou para as semifinais onde enfrentou Olímpia. Novamente os aurinegros foram superiores, ganhando os dois jogos. Palmeiras foi o rival na final. Os brasileiros tinham quatro vitórias em quantidades iguais de jogos, mas não conseguiram vencer os uruguaios. Peñarol ganhou por 1 a 0 no estádio Centenário com um gol de Alberto Spencer aos 89’. No estádio de Pacaembu, em São Paulo, empataram por 1 a 1, e com esse resultado, Peñarol conseguiu conquistar a segunda edição do torneio e foi bicampeão.

Logo de perder as finais de 1963 e 1965, os Carboneros voltaram a ser campeões em 1966, sendo sem dúvida nenhuma, o time com maior destaque nos primeiros anos. Ganharam no grupo contra o seu rival Nacional, Jorge Wilstermann e Deportivo Municipal de Bolívia e os equatorianos Emele e Nueve de Octubre. Isso deu o passe para a segunda fase de grupo onde uma vez mais estava Nacional e também Universidad Católica. Peñarol ganhou no grupo com clareza e assim se classificou para a final onde enfrentou River Plate. No duelo dos grandes do Rio de La Plata, ambos ganharam como times da casa, e tudo foi definido no terceiro e definitivo jogo que aconteceu em Santiago do Chile, que ficou marcado na história. River Plate estava ganhando de 2 a 0 até a metade do segundo tempo, mas com dois gols marcados em 5 minutos do Peñarol, a decisão foi para a prorrogação. Com os gols de Alberto Spencer e Pedro Rocha, os uruguaios conquistaram seu terceiro título, evitando que os argentinos conseguissem ganhar sua primeira copa. Após os sucessos dos anos 60, Peñarol ficou longe dos primeiros planos dos anos 70, sendo apenas finalista em 1970. Porém nos anos 80 voltou a brilhar, com títulos em 1982 e 87, e chegou à final em 1983. No ano 1982, Peñarol ganhou em seu complicado grupo com São Paulo, Grêmio e Defensor Sporting. Após superar essa primeira etapa, enfrentou outro grupo complicado. Mesmo assim, Peñarol venceu 4 partidas deixando de fora Flamengo e River Plate. Com isso se classificou para a final, onde enfrentou a Cobreloa. Empatou em Montevidéu e a revanche foi em Chile, tudo se manteve igual, sem gols até os 89 minutos de jogo. Fernando Morena, um dos ídolos máximos do clube, fez o gol do triunfo e do campeonato.

Cinco anos depois, chegou o quinto e até agora, último título de Peñarol. Após ganhar sem dificuldades o grupo com Alianza Lima, Colegio San Agustín de Perú e Progreso de Uruguai, se classificou para a segunda fase onde enfrentou os argentinos River Plate e Independiente. Ganhou no grupo e se classificou para a final, onde enfrentou um dos maiores times da época, América de Cali. Logo após perder de 0 a 2 na Colômbia, e ganhar por 2 a 1 em Montevidéu, depois de estar perdendo até os 67 minutos, tudo se definiu em um terceiro jogo. O jogo foi realizado em Santiago, onde empataram por 0 a 0 durante os 90 minutos, e a decisão foi para a prorrogação. Quando o jogo estava por terminar, Diego Aguirre marcou o gol da vitória, que ficou marcado na melhor história do clube e deu o quinto título.
Após isso, Peñarol ficou 24 anos ausente de uma final, más o sexto título foi negado em 2011, quando foi derrotado por Santos, seu rival histórico dos anos 60.

Os grandes campeões da Copa Libertadores
Votar